Nome:
Local: Brasília, DF, Brazil

Bardo da Ordem Druídica Vozes do Bosque Sagrado.

9 de maio de 2006

A Raposa e o Pequeno Príncipe

E foi então que apareceu a raposa:

- Boa dia, disse a raposa.
- Bom dia, respondeu polidamente o principezinho, que se voltou, mas não viu nada.
- Eu estou aqui, disse a voz, debaixo da macieira...
- Quem és tu? perguntou o principezinho. Tu és bem bonita...
- Sou uma raposa, disse a raposa.
- Vem brincar comigo, propôs o principezinho. Estou tão triste...
- Eu não posso brincar contigo, disse a raposa. não me cativaram ainda.
- Ah! desculpa, disse o principezinho.

Após uma reflexão, acrescentou:

- Que quer dizer "cativar"?
- Tu não és daqui, disse a raposa. Que procuras?
- Procuro os homens, disse o principezinho. Que quer dizer "cativar"?
- Os homens, disse a raposa, têm fuzis e caçam. É bem incômodo! Criam galinhas também. É a única coisa interessante que fazem. Tu procuras galinhas?
- Não, disse o principezinho. Eu procuro amigos. Que quer dizer "cativar"?
- É uma coisa muito esquecida, disse a raposa. Significa "criar laços..."
- Criar laços?
- Exatamente, disse a raposa. Tu não és para mim senão um garoto inteiramente igual a cem mil outros garotos. E eu não tenho necessidade de ti. E tu não tens também necessidade de mim. Não passo a teus olhos de uma raposa igual a cem mil outras raposas. Mas, se tu me cativas, nós teremos necessidade um do outro. Serás para mim único no mundo. E eu serei para ti única no mundo...

(...)

Assim o principezinho cativou a raposa. Mas, quando chegou a hora da partida, a raposa disse:

- Ah! Eu vou chorar.
- A culpa é tua, disse o principezinho, eu não queria te fazer mal; mas tu quiseste que eu te cativasse...
- Quis, disse a raposa.
- Mas tu vais chorar! disse o principezinho.
- Vou, disse a raposa.
- Então, não sais lucrando nada!
- Eu lucro, disse a raposa, por causa da cor do trigo.

Depois ela acrescentou:

- Vai rever as rosas. Tu compreenderás que a tua é a única no mundo. Tu voltarás para me dizer adeus, e eu te farei presente de um segredo.

Foi o principezinho rever as rosas:

- Vós não sois absolutamente iguais à minha rosa, vós não sois nada ainda. Ninguém ainda vos cativou, nem cativastes a ninguém. Sois como era a minha raposa. Era uma raposa igual a cem mil outras. Mas eu fiz dela um amigo. Ela á agora única no mundo.

E as rosas estavam desapontadas.

- Sois belas, mas vazias, disse ele ainda. Não se pode morrer por vós. Minha rosa, sem dúvida um transeunte qualquer pensaria que se parece convosco. Ela sozinha é, porém, mais importante que vós todas, pois foi a ela que eu reguei. Foi a ela que pus sob a redoma. Foi a ela que abriguei com o pára-vento. Foi dela que eu matei as larvas (exceto duas ou três por causa das borboletas). Foi a ela que eu escutei queixar-se ou gabar-se, ou mesmo calar-se algumas vezes. É a minha rosa.

E voltou, então, à raposa:

- Adeus, disse ele...
- Adeus, disse a raposa. Eis o meu segredo. É muito simples: só se vê bem com o coração. O essencial é invisível para os olhos.
- O essencial é invisível para os olhos, repetiu o principezinho, a fim de se lembrar.
- Foi o tempo que perdeste com tua rosa que fez tua rosa tão importante.
- Foi o tempo que eu perdi com a minha rosa... repetiu o principezinho, a fim de se lembrar.
- Os homens esqueceram essa verdade, disse a raposa. Mas tu não a deves esquecer. Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas. Tu és responsável pela rosa...
- Eu sou responsável pela minha rosa... repetiu o principezinho, a fim de se lembrar.

Antoine de Saint-Exupéry, em O Pequeno Príncipe.
Clique aqui para comprar!.

É sempre bom sentir-se querido. Sempre bom sentir-se amparado. Ter a quem recorrer, olhar ao seu lado e ver que junto a seus ombros alguém que você pode chamar de irmão ergue-se para encarar qualquer batalha.

Esses laços não tem tempo ou forma definidos, mas são visíveis a todos aqueles que tiveram a paciência e dispenderam a energia necessária para criá-los. E cuidar de cada irmão que angariamos na vida é uma tarefa delicada, pois conquistar tal amizade não é fácil, mas perdê-la é algo que nossa arrogância consegue num único instante.

Com agradecimentos a Tamira Rocha pela lembrança e pela Inpiração.

Marcadores: , , ,

5 Comentários:

Anonymous Nil Tojal disse...

Tem horas que num damos conta de tantas coisas que cativamos e que somos cativados.... so damos conta quando chega a hora de uma despedida... ou de uma perda repentina...


Não damos conta de quão nossas amizades são importantes...quanto tempo perdemos pensando nos amigos... cativamos e somos cativados....para isso temos que ter carações abertos...

Sou muito agradecido por ter um amigo como vc Abraços

09 maio, 2006 17:35  
Blogger Aileen disse...

Que profundo!! Lindo o texto... tenho q ler O Pequeno Príncipe de novo!
Bjos!

09 maio, 2006 21:15  
Anonymous Tamira disse...

Hoje é um dia especial...
Todos os dias são especiais,
Hoje recebo um presente,
Hoje recebo uma surpresa,
Hoje faço o dia, de alguém especial,
Hoje inspiro uma grande sabedoria,
Hoje expresso meus sentimentos.
Hoje faço cada detalhe ter algo especial,
Hoje compartilho minhas alegrias.
Hoje conquisto amizades...
Hoje cativo amizades..
Hoje sou Amigo
Hoje cultivo as rosas especiais..
E hoje se fortificam os laços..
E Amanhã será especial!


=)
Obrigada Malhado pela homenagem!
linda mensagem... ^^

que os Deuses nunca apaguem a luz de sua Sabedoria...
beijos!

10 maio, 2006 15:10  
Anonymous Anônimo disse...

PÔ assim eu choro sera q. essa pstagem d. comentários registra hora ,tô perdida,eu li depois de postar sobre a frase, agora entendes q. ès eternamen... vc. me fez chorar d. alegria é claro!!!deculpe-me postar o cometário assim ,mais ñ posso deixar passar essas palavras,vc. me cativa mais e mais!bjs.Ashore Angel.

12 maio, 2006 22:34  
Anonymous Anônimo disse...

Estou terminando meu Livro sobre Au Pair( babás que vão para os EUA), e procurei o trecho do diálogo ocm a Raposinha para finalizá-lo,que ficou gravado em minha memória há mais de vinte anos. Encontrei logo o texto q vc postou e mais uma vez, desde os anos da facul chorei , pois é impossível se manter inerte a tamanha sensibilidade do Exuperie.Um grande abraço e Parabéns por ter colocado aqui algo de mais sublime na existencia humana.

Sandra Lee

15 novembro, 2008 23:06  

Postar um comentário

Links para este texto:

Criar um link

<< Voltar à página inicial