Nome:
Local: Brasília, DF, Brazil

Bardo da Ordem Druídica Vozes do Bosque Sagrado.

7 de julho de 2006

O Diálogo e o Silêncio

Interessante, a dinâmica atual do diálogo no meio pagão. Quando a conversa cai na polêmica tudo o que enxergamos são pessoas gritando seus monólogos, defendendo seus pontos de vista como se fossem o último cantil d'água num vasto e tórrido deserto.

Claro, como em todo tipo de conversa, quando a polêmica vem á tona as pessoas tendem a agarrar-se mais firmemente ainda a seus próprios pontos de vista. Mas no Paganismo isso é especialmente levado ao extremo da paixão e à profusão de gestos, às vozes exaltadas e a rostos desfigurados, quando não apenas a rápidos e intolerantes cliques num teclado. E tudo toma cores muito mais "vivas".

A antiga educação que nossos avós tanto prezaram e nossos pais receberam, e que tento repassar aos meus filhos, está agora em desuso. São tempos agitados, onde a velocidade é um dos conceitos mais valorizados e poucos dão atenção ao respeito e à cortesia. Não temos tempo para pensar ou para absorver tanta informação vomitada pela mídia e por tanta gente ao mesmo tempo, quanto mais para nos importar com quem seja o emissor de qualquer informação dentre tantas.

Assim, queremos logo atropelar quem fala, pré-conceber o final do discurso e partir pra o diálogo mais célere, quase telepático, como se os conceitos pagãos fossem algo simples de se entender pra pessoas que têm tanta mania de complicar a vida como nós o fazemos. E a conversa estagna no silêncio gritado de tantas vozes que insistem e fazer-se entender sem a paciência de escutar o que o outro tem a dizer...

Nestes momentos a runa Gebo me vem à mente e penso que se a minha palavra precisa ser imposta a quem esteja numa conversa comigo, então ela não deve ser emitida. Uma conversa é digna de ser assim chamada quando o diálogo flui em todas as direções e todos que ali, sem exceção, possam expressar suas idéias e tenham como aproveitar tanto o que é dito quanto como saborear o prazer de expor seu ponto de vista e ao menos ser escutado e considerado.

Em relação ao diálogo, a imagem pagã mais forte que tenho na mente é a do bastão da fala dos xamãs norte-americanos. Através dele lembramos do respeito - embora seja uma pena precisarmos de algo externo pra nos lembrar da necessidade de respeitar o direito do outro de expressar-se - e conseguimos manter um diálogo. Entretanto, mesmo com ele há dias nos quais a tormenta em que vivemos nos coloca em discussão antes que percebamos, e o ato de ouvir torna-se o afã de falar.

A palavra, ferramenta primeira do Bardo, pode ser usada durante uma tormenta, e aprender a gritar em nome de nossos Deuses é fácil, pois o "senso do dever" pode muito bem mascarar nossa impaciência com quem esteja do outro lado da conversa. Mas é através da suavidade e da diplomacia que o diálogo toma forma, e nele a única guerra possível é a de nós mesmos contra nosso impulsos, quando nos forçamos a escutar o que cada um tem a dizer e ponderamos sobre os argumentos antes de voltar à conversa com mais uma contribuição para todos, inclusive nós mesmos.

8 Comentários:

Blogger Tami Fada disse...

Ouvi algumas destas palavras hoje mesmo no meu cursinho pré-vestibular.. (Aula de Geografia)... Que os encontros (pessoalmente) estão se acabando, que os diálogos quase não existem mais..
E vc tocou num outro ponto muito interessante!! O fato de falarmos muito, e não ouvirmos nadaa... Cada pessoa está fixada no seu mundinho individualizado, esquece que absorver coisas boas de outras pessoas será sempre importante, e dar atenção (ouvir) é o essencial para vivermos numa sociedade civilizada...
Seria egocentrismo demais (digamos assim) se fixar somente e apenas no teu ponto de vista sem dar ouvido aos outros milhares que existem no mundo... ou ao teu redor...
Tudo isto seria a grande e monstruoza Globalização?! ... oÔ ...
Mesmo que seje..
Como vc disse, é necessário brigar com nós mesmos, e sermos paciente SIM, ouvindo idéias de qualquer pessoa em que dialogamos! para depois podermos mostrar nossas idéias e sermos respeitados tbm!
=)

Obs.: estou lendo "Ilusões" !!..comecei hoje! =D

BJO Malhado!!
Te admiro mto!

07 julho, 2006 01:59  
Anonymous ashore angel disse...

PQP!!!Perfeito tudo que eu queria que vc falasse,porisso não tenho postado nos tópicos do paganismo,me desculpa,mais aquilo tá meio bagunçado!Aquela coisa chamada Helder surgiu de onde???
Mesmo no meu humilde conhecimento,e concordando com seu consenso,não vejo como ser diplomático com algumas pessoas,ex:tópico de Helder,acho perda de tempo,prefiro abster-me.
Vou quase tds os dias na comu,vejo os tópicos e não tenho vontade de debater,acho tão simples e obvio,que apenas quero aprender o que ñao sei e não começar com,uma pergunta e terminar um achando que sabe mais que o outro!parábens!um dos melhores post seus,dentre tantos...
À dias queria algo assim,vc parece que advinhou!bjs em seu coração!
Com a benção dos Deuses

07 julho, 2006 02:58  
Blogger Tatiana Mamede disse...

Malhadito,

Conversar é uma arte. E como toda arte exige, além do talento inato, a disciplina árida para ouvir.

Dialogar é outra estória. Além do talento inato e da disciplina árida, exige o saber ponderar, o amar a palavra e o ouvir mais do que a própria argumentação fria e, tantas vezes, sem sentido. Demanda o esperar, outra característica rara, com paciência. Mas nada incontornável. No meio desse deserto de discussões, sempre há aqueles, como vc, que muitas vezes escutam mais que falam (nem se ufane, é muitas vezes, vice, não SEMPRE!...rs).

E como se sabe, poucos são os artistas que respeitam realmente seus veículos.

Parabéns pelo artigo.
Beijos.

07 julho, 2006 12:13  
Anonymous Ricardo Ramos disse...

Dificil mesmo suas palavras hein :)

Com certeza, todos devemos aprender a ouvir, a sentar e prestar atençao no que esta sendo analisado, mostrado e dito. Muitos sabem falar, falar, mas poucos os que sabem ouvir. Eu ao contrario, sou dificl com as palavras, mas pra ouvir e aprender, entender sou muito bom nisso, graças.
Sempre é bom ouvir, ainda mais quando em uma conversa com mais pessoas, agente acaba analizando melhor as questões e comparando com outros argumentos. Mas pra isso, é preciso aceitar, criticas ou elogios e sugetões, sempre.

Dificil falar agora, analisei dessa forma.
Obrigado pelas palavras.
Que os deuses o ilumine sempre e te encha de graça e bençãos.

07 julho, 2006 15:43  
Anonymous Nika disse...

Amei, nem tenho o que dizer... Queria dialogar mais com algumas pessoas, isso me faria muito bem!

Saudades!

07 julho, 2006 21:26  
Blogger Pedro Ivan disse...

excelente texto =)

bem real, é fácil se apegar à própria opinião e julgar a alheia dum ponto pré visto como errado, julgamos a opinião alheia certa de acordo com o que ela se encaixa com a nossa... nunca o contrário (nem acho que deva ser o contrário...n a verdade, acho que não se deva ter base alguma qnd lemos algo e sim tentar ser a pessoa e entender o pq dela pensar assim), afinal, se faz sentido para alguem pode perfeitamente fazer sentido para mim tb

vamos exercitar a educação e a paciência =)

23 julho, 2006 17:49  
Anonymous niltojal disse...

então eu digo uma coisa para aprender a dialogar tem que aprender ouvir...gritar ajuda, mas tem que ouvir tb... nos temos dois ouvidos e uma boca...isso pode ser pq devemos mais ouvir para depois saber o que dizer

28 julho, 2006 20:00  
Blogger ([salix sam]) disse...

Já aconteceu com vc de perceber-se falando sozinho? Mas não um sozinho como se falasse consigo mesmo....um sozinho mais vazio......

O som da sua alma que sai.....pra se perder em algum vazio.....

Acredito que as palavras que dizemos são parte da nossa alma....como se fosse o tempo dela que se gasta ou algo do tipo....e quando ela não encontra um lugar fora do nosso corpo pra refletir...ou descansar...é como uma semente que cai no pior dos terrenos.....um desperdício...uma coisa vã

Mas quem pode dar valor ao que dizemos....senão aqueles que nos amam...(isso incluindo nós mesmos)?
^^

*comentando fora da linha do tempo....pq afinal ele não é linear como dizem né?*

01 maio, 2008 20:00  

Postar um comentário

Links para este texto:

Criar um link

<< Voltar à página inicial