Nome:
Local: Brasília, DF, Brazil

Bardo da Ordem Druídica Vozes do Bosque Sagrado.

3 de setembro de 2007

Lenda dos Mebengocre-Caiapós

O vento chegou e bateu sobre Brasília com força. As janelas assoviavam com o vento frio que chegou à cidade para visitar. Passei o dia pensando no vento, escutando sua voz, e foi quando ele me trouxe esta lenda indígena a qual passo agora adiante.

Boa leitura!


    No princípio de tudo, antigamente, os mebengocres tinham sua morada no céu (aktube). Moravam em cima de uma estrela mais alta que a nuvem. Um dia, antes de o Sol aparecer e clarear os olhos humanos, um velho encontrou um buraco de tatu. Tatu do céu faz buraco igual ao tatu da terra: buraco redondo e profundo, buraco que ia se estreitando. O velho, muito curioso, pôs o dedo no buraco e o buraco começou a aumentar. Aumentou tanto que furou o teto do céu. E aí, o tatu despencou pelo buraco do céu e caiu na terra.

    E o velho caiu atrás. Na terra, o velho se levantou, olhou, conheceu tudo, mas não sabia como voltar para o céu. Nisso, bateu um vento forte, um vento amigo e levou o velho de volta para o céu. Chegando lá, os parentes, espantados, já estavam pensando que o Curupira tinha levado o velho para o lugar que não existe. As tias já estavam cantando o choro dos mortos. Mas o velho voltou. Voltou e todo mundo ficou contente. Tanto era o contentamento geral, que, naquele dia, até choveu no céu.

    E o velho que gostava de contar histórias, acabou contando mentira. Contou que a terra era muito boa, que tinha muita comida, muito peixe e muito pequi, que os humanos eram sempre muito carinhosos e todos muito pacíficos. Aí, os parentes também quiseram conhecer a terra. Para conhecer a terra, fizeram uma corda de buriti e desceram pelo buraco do céu. Desceram todos, menos alguns que tiveram medo porque era muito alto. Mas a maioria desceu e ficou olhando e olhando.

    E viram que, de fato, a terra era bonita, que havia o rio Araguaia cheio de botos e de garças. E, distraídos como estavam, ninguém viu que um menino cortou a corda que tinha ficado amarrada no céu. Corda cortada e nosso povo não pôde mais subir para onde estava antes. No tempo dos goiás e dos caiapós, a terra era muito bonita: o grande gavião ensinava aos mais velhos a sabedoria da vida e aos mais jovens como se tornar guerreiro.

    Ensinou os xamãs a conversarem com os animais e a receberem o espírito do caititu, da anta e até da onça e do macaco. Só com o espírito dos animais se pode saber como caçar sem matar o que não deve ser morto.


Aprenda com este povo que veio do céu para morar em Hi-Brasil enquanto escuta "Pedacinhos do céu", um chorinho de Waldir Azevedo em versão que não consegui identificar quem toca.

Marcadores:

1 Comentários:

Anonymous Erika disse...

Que bonita a história. Se as pessoas pelo menos lessem com olhos de coração essas histórias eu acho que aprenderiam a respeitar.

beijos

03 setembro, 2007 22:05  

Postar um comentário

Links para este texto:

Criar um link

<< Voltar à página inicial