Nome:
Local: Brasília, DF, Brazil

Bardo da Ordem Druídica Vozes do Bosque Sagrado.

19 de abril de 2006

As cores do vento

Você pensa que qualquer terra em que aportam lhe pertence
A terra é apenas algo morto que você pode reivindicar
Mas eu sei que cada rocha e árvore e criatura
Tem uma vida, tem um espírito, tem um nome

Você pensa que o único povo que são pessoas
São as que se parecem e pensam como você
Mas se você caminhar nas pegadas de um estranho
aprenderá coisas que nunca soube
que nunca soube

Você já escutou o lobo uivando para a Lua cheia?
Ou perguntou ao lince que rosna porque ele rosnou
Você consegue cantar com todas as vozes das montanhas?
Você consegue pintar com todas as cores do vento?
Você consegue pintar com todas as cores do vento?

Venha correr nas trilhas de pinheiros da floresta
Venha experimentar os doces frutos da terra
Venha se envolver em todas as riquezas à sua volta
E por uma vez não imaginar o quanto elas valem

A tempestade e o rio são meus irmãos
A garça e a lontra são meus amigos
E nós estamos conectados uns aos outros
Em um círculo, num arco que nunca termina

Você já escutou o lobo uivando para a Lua cheia?
Ou deixou que a águia te contasse por onde esteve
Você consegue cantar com todas as vozes das montanhas?
Você consegue pintar com todas as cores do vento?
Você consegue pintar com todas as cores do vento?

Quão alto o plátano cresce
Se você o cortar, então jamais saberá

E você nunca escutará o lobo uivando para a Lua cheia
Ou se somos brancos ou peles-vermelhas
Nós precisamos cantar com todas as vozes das montanhas
Nós precisamos pintar todas as cores do vento
Você pode possuir a Terra e ainda
Tudo o que você vai possuir é a Terra até que
Você consiga pintar com todas as cores do vento
Letra original: Stephen Schwartz.
Tradução: Cecília Lóes & Alexandre Malhado.
Tema do filme "Pocahontas". Disney, 1995.
Clique aqui para comprar!.

É como eu sempre digo... até a Disney sabe mais de Paganismo que a maioria dos que se dizem pagãos e ostentam "panelagramas" ou quaisquer outros simbolos imensos em seus pescoços. Falta-nos ver o simples. E o simples está na sabedoria dos antigos, transmitida e exposta hoje para nossas crianças, que sabem perceber tais ensinamentos com uma acuidade e uma rapidez fantásticos.

Falta-nos tirar as "fantasias", não de envolta do corpo, mas de dentro da mente. Falta-nos perceber nossos instrumentos e vestimentas rituais como representação de uma responsabilidade que assumimos ao abraçar um sacerdócio, e não como prêmios de quem passou para uma nova fase de um jogo inocente e incapaz de nos prejudicar ou aos que com ele tenham contato. Falta-nos aprender a olhar um manto como uma vestimenta sagrada, que colocamos em honra aos Deuses que representamos e compreender um punhal, um cajado ou uma pedra que um xamã coloca em seu sacola de medicina como símbolos do poder Deles que a nós foi confiado, ao invés de enxergá-los como pequenos troféus de nosso conhecimento ou ganho monetário.

É preciso parar de nos fantasiarmos de "sacerdotes de nós mesmos" e nos tornarmos Sacerdotes da Terra, pois não existe um "game over" quando as coisas dão errado, nem podemos ler o jogo salvo ou iniciar o jogo novamente quando fazemos besteira com a nossa vida, com a dos outros ou quando o ambiente à nossa volta, físico ou não, sofre com a nossa estupidez, nossa imaturidade e nosso egoísmo.

E o significado de prejudicar é uma coisa que todos deveriamos saber de cor. Não porque o decoraramos, e sim porque aprendemos a pintar com as cores do vento, como diz o poema escrito por um "homem branco" para explicar a outros "homens brancos" o que é a Terra e o quanto ela é preciosa, mesmo quando não a olhamos com os olhos da ganância que fomos treinados a olhar.

Nenhum dia é melhor para agradecer por toda sabedoria indígena, seja da cultura e a etinia que for, pois este é o dia a eles dedicado. A eles, os mais prejudicados entre todos, dedico a tradução desta canção e a nós, herdeiros do povo que os prejudicou, deixo algo que precisa estar cada dia mais em nossas mentes, para que percebamos a importância das conseqüências de nossos atos.

Prejudicar

V E R B O
Transitivo direto e pronominal
1
  causar ou sofrer prejuízo; lesar(-se), atrapalhar(-se)
Ex.: [p. os interesses da firma] [prejudicou-se com a queda da bolsa]

Transitivo direto
2
  causar ou sofrer dano ou lesão; estragar(-se), danificar(-se), afetar(-se)
Ex.: fumar prejudica a saúde; ler com pouca luz prejudica a visão; os violentos temporais prejudicaram a colheita;

Transitivo direto
3
  ser um obstáculo a; perturbar, atrapalhar
Ex.: a chuva prejudicou a festa; a temperatura alta prejudicou as vendas de inverno; a chuva prejudica a visibilidade;

Transitivo direto
4
  baixar o valor de; depreciar, desvalorizar
Ex.: os boatos prejudicaram a cotação das ações;

Transitivo direto
5
  tornar sem efeito (algo), como resultado de erro, irregularidade etc.; anular, invalidar
Ex.: p. um quesito, uma prova, uma questão;
Extraído e adaptado do Dicionário Houaiss.

Com a contribuição de Bia Marquez e agradecimentos a Cecília Lóes.

Marcadores: ,

4 Comentários:

Blogger Aileen disse...

Essa música é MUITO LINDA! Esse filme, na verdade, né?
Concordo com o q vc disse, pra variar! Heheh... todo mundo devia aprender a preservar a Terra.
O homem acha q tem q ensinar coisas ao índio... mas na verdade, eles têm muito mais coisas a nos ensinar né?
Beijos!

19 abril, 2006 17:52  
Blogger Imperatrix disse...

Só pra variar eu gostei muito, rs!
É como diz a musiquinha da TV cultura que fala: Todo mundo tem um pouco de indio dentro de si...minha filha se chama Mayara Cy em homenagem à essa força ancestral!
Beijos, amigo!

19 abril, 2006 23:30  
Anonymous Silene disse...

Emocionante... Parabéns pelo post! Aliás, vc tem escrito cada vez melhor...
Bjo!

20 abril, 2006 09:07  
Anonymous Anônimo disse...

Perdoe-me,me confundi c.as conjugações verbais abaixo do texto,apesar d. ser imperdoável ñ assimilar q. só poderia ser d. sua autoria!delet meu email,vc. é MAGNÍFICO!!!Ashore Angel.

04 maio, 2006 01:51  

Postar um comentário

Links para este texto:

Criar um link

<< Voltar à página inicial