Nome:
Local: Brasília, DF, Brazil

Bardo da Ordem Druídica Vozes do Bosque Sagrado.

19 de março de 2007

Vida Sustentável

O planeta está esquentando, e o risco de catástrofes naturais, aumentando.

E o que você tem a ver com isso? Tudo. A queima de combustíveis fósseis e a produção desenfreada de lixo – duas das principais causas do aquecimento global – estão diretamente relacionadas ao estilo de vida urbano, consumidor e predador da natureza que os humanos vêm adotando de modo cada vez mais acelerado.

Dá para mudar? Dá. Até mesmo na vida cotidiana, vivendo em cidade grande, morando em apartamento, trabalhando em prédio fechado com ar-condicionado e tendo carro.

A Folha ouviu especialistas e reuniu dicas simples para cuidar melhor da Terra e reduzir o impacto da nossa passagem por aqui. Para construir um planeta menos arriscado onde viverão seus netos e os netos dos seus netos.


Para ser sustentável no dia-a-dia

É claro que não é tudo. Há ameaças maiores. Somos moradores do país que concentra um terço das florestas mundiais e que ainda as desmata. Temos a maior biodiversidade do planeta e poucos governantes atentos a isso.

"Embora possamos dar várias contribuições individuais, lamento dizer que, a menos que os brasileiros assumam a liderança de cobrar o fim dos desmatamentos e das queimadas de suas florestas, os esforços cotidianos significam pouco", comenta o ecólogo norte-americano Douglas Trent.

As ações individuais, embora louváveis, não são suficientes, concorda Miriam Duailibi, coordenadora-geral do Instituto Ecoar. Para ela, é preciso pressionar empresas e governos para que se comprometam a adotar soluções sustentáveis. "As pessoas têm que agir como indivíduos mas também como comunidade, eleitores, investidores e consumidores".

Ainda que sigamos todas as sugestões, será pouco. Estará apenas plantada a semente de uma nova relação com o planeta. Levará tempo para que brote, vingue e floresça. Mas, no futuro, os herdeiros da nossa espécie agradecerão pelos frutos desse gesto.


Ações a serem implementadas:

— Nos deslocamentos

Caminhe e pedale: Nos horários de congestionamento, dependendo da distância a ser percorrida, chega-se mais rápido a pé do que de carro. A bicicleta é uma alternativa de transporte veloz e que não polui. Além disso, as duas alternativas de deslocamento fazem bem à saúde.

Compartilhe caronas: A queima de combustível fóssil é uma das principais causas do aquecimento global. Descubra quem vive na sua região, dê e pegue caronas. Evite andar sozinho de carro, é injusto quando se considera o impacto do seu "conforto" para o planeta.

Use transportes coletivos: Em São Paulo, os deslocamentos de metrô ou via corredores de ônibus podem ser mais velozes do que em carros particulares.

Deixe o carro na garagem e use a rede de transporte coletivo da sua cidade. Além de economizar combustível e estacionamento, você ainda estará pressionando governos a aperfeiçoarem essa alternativa.


— Na rua

Veja onde joga o lixo: Não jogue lixo no chão. O escoamento da água nos centros urbanos é complicado principalmente pelo lixo que obstrui as canaletas. Essa é uma das causas das enchentes e dos deslizamentos, além de estimular e proliferação de ratos, baratas e doenças.

Deixe terra à vista: Pavimentar todo o solo não é bom. Ao construir sua calçada, por exemplo, você pode optar por materiais que permitem que a água o atravesse. Pontos de terra sem pavimento significam que o solo pode respirar. Chão todo pavimentado é como pele humana coberta de substância extremamente gordurosa e com todos os seus poros obstruídos.


— No trabalho

Imprima menos: Antes de ativar a impressora, pense se é estritamente necessário imprimir os e-mails que recebe. Seja rígido na seleção e só imprima o que for indispensável. Para imprimir um e-mail você utiliza energia elétrica e matéria-prima oriunda das árvores.

Reutilize papéis: Toda folha de papel tem dois lados, mas muitas vezes esquecemos disso. Reutilize folhas de papel. Faça blocos de nota com papéis usados ou mande folhas de volta para a impressora para imprimir no verso materiais só de leitura.

Compartilhe material: Construa uma caixa comum de materiais como canetas, lápis, clipes, post-its. Ali podem estar os materiais que não são pessoais.

Isso evita que cada pessoa compre uma nova caneta a cada vez que não conseguir encontrar a sua.

Seja seletivo no material: Papel reciclado, lápis de madeira certificada, canetas com componentes não-poluentes. Já existem muitas opções de material de escritório que são produzidas pensando na redução do impacto ambiental.

Não ignore o verão: No verão, vá trabalhar de roupas leves e defenda isso na empresa em que trabalha. Se o seu cargo é de chefia, libere os subordinados de usar ternos e trajes formais calorentos diariamente nessa época do ano. Assim, o ar-condicionado poderá funcionar em menor potência, economizando energia e esquentando menos o mundo lá fora.


— No mercado

Desembale: Evite o excesso de embalagens. A energia usada para fabricar uma única lata de refrigerante é a mesma que a sua televisão utiliza se
passar 172 horas ligada. O queijo fatiado, por exemplo, não precisa de bandeja de isopor nem de filme plástico. E, afinal, para que usar uma sacola de plástico para cada três produtos? Para pequenas compras, por exemplo, você pode levar sua sacola de casa.

Use retornáveis: Evite comprar descartáveis. De copos e pratos a garrafas, dê preferência aos itens cujo fabricante já prevê a reutilização. Volte a usar garrafas retornáveis de cerveja.

Prefira produtos locais: Prove os alimentos produzidos na sua região e dê preferência a eles. Além de mais frescos (o que é melhor para a sua saúde) significam um modo de produção menos impactante, e menos emissão de gases no processo de transporte.

Consuma menos: Repense seu calendário de compras e evite comprar alimentos que estragam rápido – isso significa mais idas ao supermercado, mais queima de combustível fóssil e mais consumo irracional. Antes de comprar qualquer coisa, pergunte-se se você realmente precisa daquilo. Não compre o que não é necessário e cuide do que vai fazer com o lixo da sua compra.


— Em casa

Economize água: Diminua o tempo dos banhos, feche a torneira enquanto escova os dentes, use regador em vez de mangueira, varra a calçada em vez de lavá-la. De acordo com dados do International Hydrological Programme da Unesco, 97,5% da água do planeta é salgada. A água doce só representa 2,5% e está, em sua maior parte, nas calotas polares. Apenas 0,3% encontra-se acessível em lagos, rios e lençóis subterrâneos1. Com a poluição dessas fontes, a escassez de água no planeta é uma preocupação mundial. Leve-a para casa.

Separe o lixo: Mesmo que a sua cidade não ofereça serviços de coleta seletiva, separe o lixo em casa e descubra para onde você pode levar material reciclável como vidro, plástico, metal e papel. Tenha especial cautela com lixos poluentes como lâmpadas com mercúrio, pilhas ou baterias usadas, que não podem ser misturados ao lixo comum. O mau gerenciamento dos resíduos da atividade humana é uma das causas diretas do aquecimento global.

Desplugue os equipamentos: Embora seja menos impactante do que a queima de combustível fóssil, o modo de produção da energia hidrelétrica largamente usado pelo Brasil também é desfavorável à natureza.

Tire os eletrodomésticos da tomada enquanto estão desligados e evite deixar equipamentos no modo "standby", que ainda significa consumo. Prefira eletrodomésticos que economizem energia.

Certifique-se da madeira: Na hora de comprar móveis de madeira, procure saber de onde vem a matéria-prima. Prefira móveis certificados pelo selo FSC – Brasil e oriundos de florestas de manejo sustentável. Dessa forma, você age diretamente contra o desmatamento e pela preservação das florestas brasileiras.

Tenha plantas: Nos jardins, nos quintais, nas sacadas, na calçada, na sala do apartamento, no hall do prédio. Plantas significam mais qualidade no ar e menos poluição. Podem ainda significar alimentos frescos para quem mantém pequenas hortas em casa.

Autor Desconhecido.
Adaptado por Alexandre Malhado.


1 – Assistindo ao fantástico neste final de semana esbarrei na estatística de que apenas 0,007% da água do planeta é potável. (Malhado)


Recebi este texto hoje pelo e-mail e achei interessantes as dicas. Claro, dificilmente alguém poderá ou terá tempo hábil para fazer tudo o que o texto recomenda, mas no que depender de mim não é por falta de informação a comunidade pagã deixará a natureza, pelo menos a que estiver à nossa volta, perecer.


Informe-se e descubra o que pode fazer pelo seu meio-ambiente ao som de "Earth Song", Michael Jackson. Acompanhe a letra e a tradução pelo próprio link, assista ao vídeo clipe e ainda confira uma propaganda bem bolada do Instituto Ecoar, citado no texto, que encontrei enquanto pesquisava sobre o texto na Internet.

Com agradecimentos a Malu DalCol pelo texto.

Marcadores: ,

2 Comentários:

Blogger Tami Fada disse...

Ha..
Quantas saudades deste jardim.. Deste banco, destes aprendizados que eu absorvia diariamente ouvindo-o!

=)

Agora poderei vir com mais frequencia, neste mesmo banco... E ouvir suas histórias Malhado!
Espero poder encontrá-lo sempre...
;)

BEIJO!

by Tamira**

19 março, 2007 22:15  
Anonymous Edson Marques disse...

Malhado,

o teu site é de profundíssima utilidade pública!

Estou linkando e mandando para todos os meus amigos.

Abraços, flores, estrelas..

Ah, em vista do que você publicou hoje, eu estou atendendo a (quase) todas as recomendações.

20 março, 2007 14:56  

Postar um comentário

Links para este texto:

Criar um link

<< Voltar à página inicial