Nome:
Local: Brasília, DF, Brazil

Bardo da Ordem Druídica Vozes do Bosque Sagrado.

9 de outubro de 2007

Homens de Bem

Hoje eu estava dirigindo e pensando sobre os valores que temos o quão mais deturpados eles ficam a cada dia. nenhum pensamento moralista ou algo do gênero, mas eu pensava nas coisas simples, como dar olá ao estranho que passa, ceder lugar aos idosos num transporte público ou usar expressões cada vez mais raras como "por favor", "muito agradecido" ou mesmo "com licença", essa última já na lista de expressões em perigo de extinção e prestes a ser substituída por "sai do meio".

Então me veio às vistas uma piada, e resolvi não discorrer a respeito disso como um "defensor dos velhos tempos", mas demonstrar como a coisa está através do riso. Entretanto, lembre-se da seriedade de como anda nossa sociedade e nossa visão distorcida dos papéis e dos valores que vivemos e, muitas vezes, praticamos sem perceber em que nos temos tornado.

Mas, antes da reflexão, o riso. Boa leitura e boas gargalhadas!!!


- Alô? Quem tá falando?
- É o ladrão.
- Desculpe, eu não queria falar com o dono do banco. Tem algum funcionário aí?
- Não, os funcionário tá tudo como refém.
- Eu entendo... Trabalham quatorze horas por dia, ganham um salário
ridículo, vivem levando esporro, mas não pedem demissão porque não
encontram outro emprego, né? Vida difícil. Mas será que eu não poderia
dar uma palavrinha com um deles?
- Impossível. Eles tá amordaçado.
- Foi o que pensei. Gestão moderna, né? Se fizerem qualquer crítica,
vão pro olho da rua. Não haverá, então, algum chefe por aí?
- Claro que não, meu amigo. Quanta inguinorânça! O chefe tá na cadeia,
que é o lugar mais seguro pra se comandar um assalto.
- Bom... Sabe o que que é? Eu tenho uma conta...
- Tamo levando tudo, ô bacana. O saldo da tua conta é zero.
- Não, isso eu já sabia. Eu sou professor. O que eu queria mesmo era
uma informação sobre juro.
- Companheiro, eu sou um ladrão pé-de-chinelo. Meu negócio é pequeno.
Assalto a banco, vez ou outra um seqüestro. Pra saber de juro é melhor
tu ligar pra Brasília.
- Sei, sei. O senhor tá na informalidade, né? Também, com o preço que
tão cobrando por um voto hoje em dia... Mas, será que não podia fazer
um favor pra mim? É que eu atrasei o pagamento do cartão e queria
saber quanto vou pagar de taxa.
- Tu tá pensando que eu tô brincando? Isso é um assalto!
- Longe de mim. Que é um assalto, eu sei perfeitamente. Mas queria
saber o número preciso. Seis por cento, sete por cento?
- Eu acho que tu não tá entendendo, ô mané. Sou assaltante. Trabalho
na base da intimidação e da chantagem, saca?
- Ah, já tava esperando... Vai querer vender um seguro de vida ou um
título de capitalização, né?
- Não... Eu... Peraí, bacana, que hoje eu tô bonzinho e vou quebrar o
teu galho.

(um minuto depois)

- Alô? O sujeito aqui tá dizendo que é oito por cento ao mês.
- Puxa, que incrível!
- Tu achava que era menos?
- Não, achava que era isso mesmo. Tô impressionado é que, pela
primeira vez na vida, consegui obter uma informação de uma empresa
prestadora de serviço, pelo telefone, em menos de meia hora e sem
ouvir Pour Elise.
- Quer saber? Fui com a tua cara. Dei umas bordoadas no gerente e ele
falou que vai te dar um desconto. Só vai te cobrar quatro por cento,
tá ligado?
- Não acredito! E eu não vou ter que comprar nenhum produto do banco?
- Nadica. Tá acertado.
- Muito obrigado, meu senhor. Nunca fui tratado dessa...
- Ih, sujou!!! (tiros, gritos) A polícia!!!
- Polícia? Que polícia? Alô? Alô?
(sinal de ocupado)
- Alô?... Droga! Maldito Estado. Sempre intervindo nas relações entre
homens de bem!

Autor Desconhecido


Sorria, mas reflita ao som de "Brasil", uma crítica como só brasileiro consegue fazer, imortalizada pelo talento de Cazuza. Acompanhe a letra e o vídeo clipe desta canção.

Marcadores: ,

5 Comentários:

Blogger Melian Stern disse...

Hehehehehhe, adorei a piada, hahahahahahaha.

Bjos,

Ana Cláudia

10 outubro, 2007 00:16  
Anonymous Erika disse...

hhehe.. esta é muito boa, né?

Mas realmente mostra como as coisas andam viradas.

beijo e ótimo dia

10 outubro, 2007 07:10  
Blogger oracle disse...

ol� peguei o endere�o do seu blog com um conhecido no orkut. Gostei muito, muito mesmo do seu texto, principalmente a forma como vc fez uma reflex�o atr�ves do humor.
Vou dar uma olhada nos outros posts..

10 outubro, 2007 09:27  
Blogger oracle disse...

Cara, gostei muito do seu blog...
Me identifiquei com a parte que vc narra seu pesadelo, pq tenho tido sonhos meio bizarros ultimamente, a sensação que tenho é a de que toda noite tenho sonhado com um demonio diferente (esquisito, né..?)
No mais, gostei muito também do post "sacerdócio e momentos"....este ano completei sete (herméticos) anos de prática mágica e sabe o que venho percebendo? Que de alguma forma, este dom que se tem para ver as coisas de uma maneira diferente significa "serviço" e "responsabilidade". A gente tem uma noção disso quando começa a praticar, mas com os anos pesando, isso acaba por se tornar parte da nossa consciencia e dos nossos sentimentos em relação a vida.
Enfim, gostei muito do seu blog...
abraço

10 outubro, 2007 09:42  
Anonymous Edson Marques disse...

O ladrão autêntico é mais honesto!

12 outubro, 2007 13:50  

Postar um comentário

Links para este texto:

Criar um link

<< Voltar à página inicial